Viagem Cultural

Dicas e opiniões sobre assuntos diversos.

O SONHO DE NABUCODONOSOR:

“…o ventre e os quadris, de bronze” Daniel 2:32

Ainda interpretando o sonho do rei Nabucodonosor, Daniel previu que um terceiro reino iria surgir após o domínio dos persas.

” e um terceiro reino, de bronze, o qual terá domínio sobre toda a terra.. “ Daniel 2:39

No ano de 331 a.C. o império Macedônico (ou Grego), venceu o Império Persa e passou a ser o maior império do mundo naquela época. Sob o comando de Alexandre, o grande, os macedônicos venceram a batalha de Gaugamela e destronaram o rei persa Dario III.

O domínio dos gregos durou 163 anos, (até 168 a.C) e seu império era bem mais vasto do que os Impérios Persa e Babilônico.

Daniel estava preciso não só em interpretar o sonho do Rei, como também com os fatos históricos que haveriam de suceder.

Anúncios

15/07/2018 Posted by | Diversas | Deixe um comentário

O SONHO DE NABUCODONOSOR: O PEITO E OS BRAÇOS

“…o peito e os braços, de prata…” Daniel 2:32
“Depois de ti, se levantará outro reino, inferior ao teu.” Daniel 2:39

No ano de 539 a.C. o Império Medo-Persa, liderado pelo rei Ciro, conquista a Babilônia, Seu domínio se estendeu por 208 anos, até o ano de 331 a.C.

O Império Medo-Persa não era um império tão rico como o babilônico, por isso era representando pela prata, não pelo ouro.

Com o tempo os Persas acabaram suplantando os Medos, e o Império passou a ser conhecido somente como Império Persa.

Ciro procurou tratar os povos conquistados com justiça e respeitando sua liberdade religiosa. Foi ele quem permitiu que os judeus retornasse para Jerusalém para reconstrução de seu templo.

26/06/2018 Posted by | Diversas | Deixe um comentário

O SONHO DE NABUCODONOSOR: A CABEÇA

 

“E a mim me foi revelado este segredo, não porque haja em mim mais sabedoria do que em todos os viventes, mas para que a interpretação se fizesse saber ao rei, e para que entendesses os pensamentos do teu coração. Tu, ó rei, estavas vendo, e eis aqui uma grande estátua; esta, que era imensa e de extraordinário esplendor, estava em pé diante de ti; e a sua aparência era terrível. A cabeça era de fino ouro.” Daniel 2: 30-32

Foi revelado a Daniel o sonho do rei Nabucodonosor, e também sua interpretação.

“Este é o sonho; e também a sua interpretação diremos ao rei. Tu, ó rei, rei de reis, a quem o Deus do céu conferiu o reino, o poder, a força e a glória; a cujas mãos foram entregues os filhos dos homens, onde quer que eles habitem, e os animais do campo e as aves do céu, para que dominasses sobre todos eles, tu és a cabeça de ouro.” Daniel 2:36-38

O rei sonho com uma grande estátua. Essa estátua tinha quatro partes distintas, começando de cima para baixo. Cada parte representava um império.

A primeira parte era a cabeça, que era feita de ouro. Ela representava o império na qual Daniel estava vivendo: o império babilônico.

A Babilônia era um império muito rico, por isso era representado pelo ouro, e durou até o ano 539 a.C.

14/06/2018 Posted by | Religião | , , | Deixe um comentário

A INTERPRETAÇÃO DO SONHO DE NABUCODONOSOR

Continuando o post anterior sobre o sonho do rei Nabucodonosor, Daniel relata ao rei qual foi o sonho que lhe deixou tão perturbado,  e lhe dá a interpretação.

Na época de Nabucodonosor a Babilônia era o maior reino da terra. O sonho do rei era justamente que seu reino iria passar, e quais seriam os outros impérios que surgiriam após a queda da Babilônia.

Eis a revelação de Daniel, e a interpretação:” Tu, ó rei, estavas vendo, e eis aqui uma grande estátua: esta estátua, que era grande e cujo esplendor era excelente, estava em pé diante de ti; e a sua vista era terrível.
A cabeça daquela estátua era de ouro fino; o seu peito e os seus braços de prata; o seu ventre e as suas coxas de cobre; as pernas de ferro; os seus pés em parte de ferro e em parte de barro.
Estavas vendo isto, quando uma pedra foi cortada, sem mão, a qual feriu a estátua nos pés de ferro e de barro, e os esmiuçou. Então foi juntamente esmiuçado o ferro, o barro, o cobre, a prata e o ouro, os quais se fizeram como a pragana das eiras no estio, e o vento os levou, e não se achou lugar algum para eles; mas a pedra, que feriu a estátua, se fez um grande monte, e encheu toda a terra.” Daniel 2:31-35

Nessa primeira parte Daniel revela ao rei qual foi o sonho que lhe deixou perturbado. Mas o rei não queria somente saber o que sonhou, ele também queria o significado do sonho.

Agora Daniel lhe dirá o que significa: “Este é o sonho; também a interpretação dele diremos na presença do rei.
Tu, ó rei, és rei de reis: pois o Deus do céu te tem dado o reino, o poder, e a força, e a majestade. E onde quer que habitem filhos de homens, animais do campo, e aves do céu, ele tos entregou na tua mão, e fez que dominasses sobre todos eles; tu és a cabeça de ouro.
E depois de ti se levantará outro reino, inferior ao teu; e um terceiro reino, de metal, o qual terá domínio sobre toda a terra.
E o quarto reino será forte como ferro; pois, como o ferro esmiúça e quebra tudo, como o ferro quebra todas as cousas, ele esmiuçará e quebrantará.
E, quanto ao que viste dos pés e dos dedos, em parte de barro de oleiro, e em parte de ferro, isso será um reino dividido; contudo haverá nele alguma cousa da firmeza do ferro, pois que viste o ferro misturado com barro de lodo.
E como os dedos dos pés eram em parte de ferro e em parte de barro, assim por uma parte o reino será forte, e por outra será frágil.
Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar-se-ão com semente humana, mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro se não mistura com o barro.
Mas, nos dias destes reis, o Deus do céu levantará um reino que não será jamais destruído; e este reino não passará a outro povo: esmiuçará e consumirá todos estes reinos, e será estabelecido para sempre.
Da maneira como viste que do monte foi cortada uma pedra, sem mãos, e ela esmiuçou o ferro, o cobre, o barro, a prata e o ouro, o Deus grande fez saber ao rei o que há de ser depois disto; e certo é o sonho, e fiel a sua interpretação.” Daniel 2:36-45

O rei Nabucodonosor havia sonhado com o futuro. Não só o futuro de seu reino, mas Deus havia lhe mostrado que o domínio de seu reino iria passar, e quais eram os próximos impérios que que iriam governar a terra num futuro, onde certamente ele já teria morrido.

“Então o rei Nabucodonosor caiu sobre o seu rosto, e adorou a Daniel, e ordenou que lhe fizessem oferta de manjares e perfumes suaves.
Respondeu o rei a Daniel, e disse: Certamente, o vosso Deus é Deus dos deuses, e o Senhor dos reis, e o revelador dos segredos, pois pudeste revelar este segredo.
Então o rei engrandeceu a Daniel, e lhe deu muitos e grandes dons e o pôs por governador de toda a província de Babilônia, como também por principal governador de todos os sábios de Babilônia. E pediu Daniel ao rei, e constituiu ele sobre os negócios da província de Babilônia a Sadraque, Mesaque e Abednego; mas Daniel estava às portas do rei.” Daniel 2:46-49

Por ter revelado o sonho do rei e lhe dado a interpretação, Daniel foi alçado ao cargo máximo dentro do reino.

Nas próximas postagens vou mostrar quais eram os reinos que representava cada parte da estátua.

20/05/2018 Posted by | Diversas | Deixe um comentário

O SONHO DE NABUCODONOSOR

Nabucodonosor foi o rei da Babilônia entre os anos 604 e 562 a.C. Nesse período a Babilônia havia dominado o reino de Judá e levado alguns judeus cativos. Entre eles estava o profeta Daniel, ainda jovem.
O rei Nabucodonosor teve um sonho que lhe deixou bastante perturbado, e determinou aos seus sábios que lhe dessem a interpretação. Caso não conseguissem eles seriam mortos.
Só havia um problema: ele não se lembrava do sonho.

E no segundo ano do reinado de Nabucodonosor teve Nabucodonosor uns sonhos; e o seu espírito se perturbou, e passou-se-lhe o seu sono. E o rei mandou chamar os magos, e os astrólogos, e os encantadores, e os caldeus, para que declarassem ao rei qual tinha sido o seu sonho; e eles vieram e se apresentaram diante do rei.
E o rei lhes disse: Tive um sonho; e para saber o sonho está perturbado o meu espírito.
E os caldeus disseram ao rei em siríaco: Ó rei, vive eternamente! dize o sonho a teus servos, e daremos a interpretação.
Respondeu o rei, e disse aos caldeus: O que foi me tem escapado; se me não fizerdes saber o sonho e a sua interpretação, sereis despedaçados, e as vossas casas serão feitas um monturo; mas se vós me declarardes o sonho e a sua interpretação, recebereis de mim dons, e dádivas, e grande honra; portanto declarai-me o sonho e a sua interpretação.
Responderam segunda vez, e disseram: Diga o rei o sonho a seus servos, e daremos a sua interpretação.
Respondeu o rei, e disse: Percebo muito bem que vós quereis ganhar tempo; porque vedes que o que eu sonhei me tem escapado. Por conseqüência, se me não fazeis saber o sonho, uma só sentença será a vossa: pois vós preparastes palavras mentirosas e perversas para as proferirdes na minha presença, até que se mude o tempo: portanto dizei-me o sonho, para que eu entenda que me podeis dar a sua interpretação.
Responderam os caldeus na presença do rei, e disseram: Não há ninguém sobre a terra que possa declarar a palavra ao rei; pois nenhum rei há, senhor ou dominador, que requeira cousa semelhante dalgum mago, ou astrólogo, ou caldeu. Porquanto a cousa que o rei requer é difícil, e ninguém há que a possa declarar diante do rei, senão os deuses, cuja morada não é com a carne.
Então o rei muito se irou e enfureceu; e ordenou que matassem a todos os sábios de Babilônia. E saiu o decreto, segundo o qual deviam ser mortos os sábios; e buscaram a Daniel e aos seus companheiros, para que fossem mortos. Então Daniel falou avisada e prudentemente a Arioque, capitão da guarda do rei, que tinha saído para matar os sábios de Babilônia.
Respondeu, e disse a Arioque, prefeito do rei: Por que se apressa tanto o mandado da parte do rei? Então Arioque explicou o caso a Daniel. E Daniel entrou; e pediu ao rei que lhe desse tempo, para que pudesse dar a interpretação.
Então Daniel foi para a sua casa, e fez saber o caso a Hananias, Misael e Azarias, seus companheiros, para que pedissem misericórdia ao Deus do céu, sobre este segredo, a fim de que Daniel e seus companheiros não perecessem, com o resto dos sábios de Babilônia.
Então foi revelado o segredo a Daniel numa visão de noite: então Daniel louvou o Deus do céu. Falou Daniel, e disse: Seja bendito o nome de Deus para todo o sempre, porque dele é a sabedoria e a força; Ele muda os tempos e as horas; ele remove os reis e estabelece os reis: ele dá sabedoria aos sábios e ciência aos entendidos. Ele revela o profundo e o escondido: conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz. Deus de meus pais, eu te louvo e celebro porque me deste sabedoria e força; e agora me fizeste saber o que te pedimos, porque nos fizeste saber este assunto do rei.
Por isso Daniel foi ter com Arioque, ao qual o rei tinha constituído para matar os sábios de Babilônia: entrou, e disse-lhe assim: Não mates os sábios de Babilônia; introduze-me na presença do rei, e darei ao rei a interpretação.
Então Arioque depressa introduziu Daniel na presença do rei, e disse-lhe assim: Achei um dentre os filhos dos cativos de Judá, o qual fará saber ao rei a interpretação.
Respondeu o rei, e disse a Daniel (cujo nome era Beltessazar): Podes tu fazer-me saber o sonho que vi e a sua interpretação?
Respondeu Daniel na presença do rei, e disse: O segredo que o rei requer, nem sábios, nem astrólogos, nem magos, nem adivinhos o podem descobrir ao rei; mas há um Deus nos céus, o qual revela os segredos; ele pois fez saber ao rei Nabucodonosor o que há de ser no fim dos dias; o teu sonho e as visões da tua cabeça na tua cama são estas: Estando tu, ó rei, na tua cama, subiram os teus pensamentos ao que há de ser depois disto. Aquele pois que revela os segredos te fez saber o que há de ser. E a mim me foi revelado este segredo, não porque haja em mim mais sabedoria do que em todos os viventes, mas para que a interpretação se fizesse saber ao rei, e para que entendesses os pensamentos do teu coração”. Daniel 2:1-30

Nos próximos posts vou estar escrevendo um pouco sobre o sonho de Nabucodonosor e a interpretação de Daniel.

 

 

06/05/2018 Posted by | Religião | Deixe um comentário

EVANGÉLICOS OU CATÓLICOS?

ADORACAO

No dia 31 de outubro de 2017 completou 500 anos que Martinho Lutero publicou as suas 95 teses que deram origem a Reforma Protestante, criando uma ruptura na igreja católica que mudaria a história da Europa e do resto do mundo.

Desta reforma sugiram os Protestantes hoje chamados de evangélicos.

Enquanto a igreja católica continuou única, regida pelo papa, os evangélicos criaram ramificações, baseados na sua própria interpretação da bíblia. Dentre eles podemos destacar os batistas, pentecostais, presbiterianos, assembleia de Deus e neo pentecostais.

Mas será que o caminho que eles seguiram nestes 500 anos, foi tão diferente do catolicismo?

Abaixo relaciono alguns itens dos quais os católicos e protestantes divergem (?):

Indulgências
Católicos: A questão das indulgências foi um dos principais motivos para Lutero propor a reforma. Basicamente os fiéis pagavam as indulgências para terem seus pecados perdoados.
Protestantes: Hoje é muito comum vermos em igrejas, principalmente as neo pentecostais, não só o pedido de uma oferta, mas a associação de que através dessa oferta você alcançara alguma benção.

Infalibilidade Papal
Católicos: Para os católicos o papa é isento de falhas, no que diz respeito a fé e aos costumes.
Protestantes: Mais de uma vez foi mostrado na mídia, líderes protestantes que cometeram deslizes graves, como desvio do dinheiro arrecadado na igreja para uso particular. Houve até caso em que esses líderes foram presos. Mesmo assim os seguidores permaneceram fiéis ao seu líder, e alguns até afirmando que se trata de perseguição, mesmo quando o próprio líder admite o deslize. A figura do líder passa a ter mais valor do que a própria fé.

Idolatria
Católicos: Para os católicos tanto as imagens de seus santos quanto objetos, como o crucifixo, são elementos sagrados. Fazem suas orações através desses objetos para conseguirem uma benção.
Protestantes: Se para os protestantes uma imagem que não pode ver, não pode falar, não pode andar nem pode ser considerada santa, o que dizer então da água ungida, rosa ungida, água do rio Jordão, azeite ungido, sal grosso e tantos outros objetos e rituais que são adotados por alguns grupos protestantes que atribuem a eles o poder de cura e milagres.

Controle
Católicos: Durante muitos anos, somente a igreja poderia interpretar as escrituras. O fiel tinha de acreditar naquilo que a igreja ensinava sem questionar. Com o objetivo de que eles não tivessem acesso as informações que não condiziam com a fé católica, muitos livros foram queimados por ordem da igreja.
Protestantes: Algumas igrejas protestantes proíbem o uso de televisão, internet e qualquer outro meio de informação. Algumas tem até uma cartilha do que podem e não podem fazer.

Estes são somente alguns exemplos de como o grupo que antes era protestante, comete os mesmos abusos que fizerem com quem rompesse com a igreja católica.

Seria necessário uma nova reforma, desta vez dentro do protestantismo? Ou será o protestantismo, o novo catolicismo?

Ouvi outra voz do céu dizendo: Sai dela, povo meu, para não serdes participantes dos seus pecados, nem terdes parte nas suas pragas;  porque os seus pecados se acumularam até o céu, e Deus lembrou-se dos atos iníquos dela”.

Apocalipse 18:4,5

08/11/2017 Posted by | Religião | , , | 1 Comentário

MISTICISMO RELIGIOSO

As religiões de um modo geral, creem que o Deus que cultuam seja muito poderoso. Assim são os católicos, evangélicos judeus e muçulmanos. Para todos eles, Deus é o criador do universo e de tudo o que há neles.
Mas apesar dessa crença num Deus todo poderoso, por mais contraditório que possa parecer, na visão dos fies esse Deus acaba precisando de uma “ajuda”, seja física ou carnal.

É comum vermos em algumas dessas religiões, principalmente entre os evangélicos, a prática do jejum como uma forma de se alcançar alguma graça. Se cremos que Deus nos concede algo pela sua graça, então nosso sacrifício é em vão e desnecessário. Por outro lado se somos merecedores pelos nossos sacrifícios, então estamos anulando a graça de Deus e recebendo a benção pelos nossos méritos. Uma ação invalida a outra.

Já presenciei crentes levarem a Bíblia para a escola em dias de prova, como se Deus fosse ajudar na prova. Para ir bem na prova é necessário estudar. Deus jamais vai prejudicar alguém que estudou e beneficiar outro que não estudou, somente porque o segundo levou uma Bíblia no dia da prova.
Também já fui em muitas casas onde a Bíblia estava aberta (normalmente no salmo 91), como se essa prática de alguma forma fosse proteger a casa. E se a Bíblia estivesse fechada, mudaria algo? A casa ficaria desprotegida?
A Bíblia só tem valor quando o que está escrito nela é colocado em prática em nossas vidas. Fora isso, ela é somente mais um livro.

Outra prática, não tão comum, mas que já presenciei, foi o ato de algumas pessoas colocarem sal grosso para expulsarem mau espírito. Eu imagino que um espírito que tenha medo de sal grosso não deve ser tão perigoso assim.

Existem também aqueles que costumam usar uma fita ou uma peça de roupa vermelha, com o intuito de afastar o mau-olhado. Ou Deus não é forte suficiente para não deixar que esse “mau-olhado” tenha influência na minha vida, ou essa cor vermelha tem muito mais poder do que eu imaginava?

O crucifixo foi transformado em um objeto sagrado, usado na maioria das igrejas cristãs. Virou pingente, sendo usado desde em retrovisores de carros até em repartições públicas, com o objetivo de proteger o local. Porém pouca gente sabe que de acordo com a Bíblia, o crucifixo é um objeto de maldição: “pois aquele que é pendurado, é maldito de Deus” (Deuteronômio 21:23).

Existem também muitos cristãos que tem em suas salas a figura do Buda virado de costas, pois nessa posição acredita-se que traga prosperidade. Isso já começa sendo uma grande confusão, pois Buda sequer é um personagem cristão.

Passou-se a materializar a fé através de objetos, tornando o objeto como algo sagrado.  São oferecidos, rosa ungida, água do rio Jordão, pulseirinhas, água ungida, toalhinhas, meias e travesseiros. E chegou-se ao cúmulo de se oferecer óleo ungido. Ora, se ungir é o ato de passar óleo em algo, como se unge o próprio óleo?

Muitas outras prática estão tão enraizadas na cultura popular que nem notamos. Por exemplo, jogar arroz nos noivos após o casamento, usar roupa branca ou comer lentilha na virada do ano, pular sete ondas, entrar em um ambiente com o pé direito.

E o que falar então das superstições e simpatias? Não passar embaixo de escadas, temer quando um gato preto cruza nossa frente, achar que um trevo de quatro folhas, ferradura ou pé de coelho dá sorte, etc.

Todas estas práticas na verdade acabam por diminuir o poder de Deus. Acreditamos que o inimigo é forte o suficiente para fazer coisas ruins em nossa vida, destruir nosso trabalho, nosso casamento, mas não acreditamos que Deus sozinho é capaz de vencer esse inimigo.

Deus não precisa de ajuda para fazer algo. Muito menos nossa ajuda.

Ele é Deus. E isso é basta.

 

18/06/2017 Posted by | Religião | | Deixe um comentário

IGREJA DE FAMÍLIA

Uma das coisas que sempre admirei na igreja católica é a organização. Até já escrevi sobre isso em outro post. Existe uma hierarquia dentro da igreja, e o estudo é obrigatório. Quem almeja ser um líder católico, deve começar pelo mais baixo nível hierárquico e ir subindo gradativamente de cargo. Não existe outra maneira.

Nem mesmo se for o irmão do papa, não é possível pular etapas.

Já na igreja evangélica, a coisa funciona bem diferente, principalmente nas chamadas neopoentecostais. Normalmente o líder dessas igrejas escolhem o título pelo qual desejam ser chamados, sejam apóstolos, bispos, pastores, etc. Também cabe a eles escolherem as outras pessoas que irão desempenhar cargos dentro da organização.

A igreja é de Cristo, mas a escolha de quem irá exercer o cargo é deles.

Infelizmente esse tipo de coisa é tão comum dentro dessas igrejas, que fica muito fácil citar alguns exemplos:

O primeiro deles acontece normalmente referente as pregações. Normalmente a pessoa escolhida para dirigir os cultos no lugar do líder, é a sua esposa. Se a igreja costuma fazer dois cultos diários, o primeiro é dirigido pela esposa e o segundo pelo marido. Isso é uma prática muito comum.

Os filhos também passam a ter um papel fundamental nessa hierarquia. A maioria vira pregador e são preparados para suceder os pais.

Quando a igreja possui algum meio de comunicação como rádio e televisão, o absurdo fica ainda pior. Normalmente o líder, sua esposa e filhos são os que dirigem os principais programas. Mesmo se tratando de uma igreja grande, onde certamente existam pessoas formadas em jornalismo que exerceriam essa função com grande competência, eles sequer tem chance.

E o mais curioso é que nenhum deles, nem mesmo o líder, normalmente não tem formação ou conhecimento suficiente para ocupar os cargos que ocupam.

Para o crescimento da igreja, a participação dos fiéis também é restrita, mas não menos importante. Por exemplo, o líder decide que a igreja deve comprar um horário na televisão, ou que devem comprar um terreno para construir um mega templo. Ele tem fé de que Deus está mandando ele fazer esse negócio, e tem coragem de faze-lo. Só depois disso que ele convoca os fiéis para pagar a conta. Normalmente com uma “oferta de desafio”.

Talvez seja a hora de questionar como é feito as escolhas dentro de sua igreja.

Talvez esteja na hora da igreja evangélica aprender alguma coisa com a igreja católica.

 

27/03/2017 Posted by | Religião | , | Deixe um comentário

A RELIGIÃO DO MEDO

fear

Se formos analisar as religiões, vamos perceber que apesar das diferenças de doutrina, a maioria tem muito mais coisas em comum do que diferenças. Quase todas pregam o amor, honestidade e uma boa conduta dentro da sociedade. Nem todas pregam a existência de um inferno, mas quase todas creem em um céu, um paraíso.
Mas além disso tudo, existe outro sentimento que mesmo sendo diferente entre as religiões, é uma das peças fundamentais para manter os fiés dentro da doutrina: o medo.

Semelhantemente ao filme “A Vila”, é através do medo que a maioria das religiões faz o controle de seus fiés, impedindo que eles saiam da doutrina. E os fiés por sua vez, tem medo de infringir qualquer norma de sua religião, com medo de uma punição divina..

É muito comum alguns pais dizerem para seus filhos: “Papai do céu castiga criança que não é obediente”. Aprendemos e ensinamos desde pequenos que devemos ter medo do Papai do céu.  Ao invés de ama-lo por sua bondade, obedecemos pelo temor.

Existem vários exemplos que nos mostram como a religião se mantém através do medo, a grande maioria dentro do cristianismo.

Existem doutrinas evangélicas que proibem seus seguidores de frequentar a casa de qualquer outra pessoa, mesmo que seja um familiar, sozinho. Sempre tem de ir acompanhando de um outro membro da religião. Isso porque os líderes tem medo que os fiés conversem sobre religião com outra pessoa e seja influenciado por ela. Neste caso o “acompanhante” será os “olhos e ouvidos” da liderança. É comum também que se afaste os seguidores de todos os meios de comunicação, como televisão, jornais, revistas e internet. Para que o medo funcione, é necessário a “desinformação”. Nestes dois casos o medo são dos líderes em perder suas ovelhas.

Mas existem existem casos onde o medo é por parte de quem segue a religião.

Na Idade Média, quando o cristianismo católico era praticamente a única religião que reinava sobre o mundo conhecido, era proibido alguém interpretar as escrituras além da igreja. A igreja tinha medo que através de uma interpretação pessoal os fiés poderiam questionar algo que a igreja interpretasse de forma diferente. E os fiés não questionavam essa proibição, pois tinham medo de uma punição.

Na mesma Idade Média, surgiu a lenda das bruxas. Os cristãos criam em um Deus todo poderoso, mas tinham medo de bruxas. A própria igreja temia a existência de bruxas e por isso muitas mulheres foram mortas acusadas de bruxaria. O medo que atingia os fiés também atingia a igreja.

Também existia o medo da excomunhão. Qualquer um que se levantasse contra o domínio da igreja, poderia ser excomungado. Todos temiam serem afastados da comunhão da igreja, o que representava praticamente uma condenação ao inferno.

E por falar em inferno, muitos estão seguindo a Deus por medo de ir para o inferno.

 

 

 

25/12/2016 Posted by | Religião | | 1 Comentário

MÚSICA E RELIGIÃO

music

Louvai ao Senhor. Louvai a Deus no seu santuário; louvai-o no firmamento do seu poder.
Louvai-o pelos seus atos poderosos; louvai-o conforme a excelência da sua grandeza.
Louvai-o com o som de trombeta; louvai-o com o saltério e a harpa.
Louvai-o com o adufe e a flauta; louvai-o com instrumento de cordas e com órgãos.
Louvai-o com os címbalos sonoros; louvai-o com címbalos altissonantes.
Tudo quanto tem fôlego louve ao Senhor. Louvai ao Senhor.

A música sempre esteve presente nas manifestações religiosas. Difícil alguma religião que não utilize música em suas reuniões.
Os índios sempre usaram músicas em suas cerimônias, assim como os católicos fazem em suas missas e procissões. Difícil imaginar um culto evangélicos sem música.

Por muitas vezes, uma música substitui uma oração. E para algumas pessoas, a música chega até a substituir a religião.
Engana-se porém quem imagina que somente músicas sacras são usadas em cerimônicas religiosas. É muito comum em casamentos (normalmente católicos), os noivos escolherem músicas românticas, sem nenhum objetivo religioso, para embalar a cerimônia.
Mas apesar dessa proximidade entre música e religião, a convivência nem sempre é tão amistosa.

O primeiro problema está nos instrumentos musicais. Alguns instrumentos sempre foram bem vindos nas cerimônias religiosas como o piano, flauta e violino. Instrumentos de sopro também sempre foram bem vindos.

Já outros instrumentos como guitarra, contra-baixo e bateria tem uma resistência um pouco maior, apesar da situação ter melhorado muito hoje, principalmente com o crescimento de grupos neo-pentecostais e carismáticos.

Outros instrumentos como atabaque, berimbau e cuíca, não tem espaço dentro das igrejas cristãs, ainda que sejam usados por religiões de origem africana. Provavelmente seja esse o motivo das igrejas cristãs não os utilizarem.

Se os instrumentos sofrem esse preconceito dentro das igrejas cristãs, com os rítmos não é diferente. Quando se falava em música cristã, sempre se lembrava de corais ou coisa do gênero.

Na década de 70, um grupo de jovens na pequena igreja batista de vila bonilha, zona oeste de São Paulo, ousou ao usar guitarra, contra-baixo, bateria e introduzir o rock dentro de uma igreja cristã. Formaram a banda Exodos conhecida pela música “Galhos Secos” (Para Nossa Alegria), de autoria de seu líder Osny Agreste. É o primeiro registro de uma banda de estilo rock dentro de uma igreja evangélica.

Mas se o rock aos poucos conseguiu “entrar” dentro da igreja, mesmo a contra gosto de muitos, outros ritmos ainda sofrem. Difícil ver alguém cantando uma música cristã no ritmo de samba e atualmente é inimaginável um funk para Jesus. Ritmos de origem africana é considerado um pecado. Se um africano se converte ele obrigatoriamente tem de mudar o gosto musical. Por que?

A verdade é que rotulamos o que é música cristã e tudo aquilo que está fora disso não serve.

Da mesma forma que a igreja antigamente decidiu que livro deveria fazer parte da bíblia, hoje decidimos que tipo de música pode-se tocar na igreja.

 

13/10/2016 Posted by | Religião | , , | Deixe um comentário